Arquivo mensais:Fevereiro 2016

Fantasmas da Assembleia Legislativa do RN matam crianças todos os dias

Madson

Vamos refletir sobre os milhares de cargos comissionados da Assembleia Legislativa do RN? Grande parte ganha salários pomposos sem passar nem em frente ao legislativo potiguar.

Vamos começar a refletir com a constatação do médico Mádson Vidal. Segundo ele, o salário de apenas 40 dos milhares de fantasmas que estão lotados na Assembleia seria suficiente para acabar com o déficit de leitos de UTI Infantil no estado, cerca de 100 leitos.

Quantas crianças não já acompanhamos morrer por falta de leito? Ao mesmo tempo em que o dinheiro do povo está sendo distribuído pela Assembleia para pai, filho e espírito santo de políticos e seus apadrinhados?

Está na hora de dizer chega. Está na hora de o dinheiro do povo deixar de ir para o bolso de quem não trabalha e passar a ser aplicado para o bem de todos. Nos leitos de UTI Infantil, por exemplo.

Você vai ficar parado?

Juiz critica janela para troca de partidos

Até quando vamos aguentar tudo isso calados?

Por Herval Sampaio*

O título sugestivo desse texto corresponde a nossa indignação pessoal – com todo respeito do perdão da palavra como se diz – com a “cara de pau” da classe política, de um modo geral, em aprovar no último dia 18 de fevereiro a Emenda Constitucional 91, trazida em primeira mão em nosso site (Congresso cria janela temporária para desfiliação sem risco de perda do mandato).

Para nós, é mais um despautério, dentro de uma realidade que já é difícil de se explicar para quem não conhece a triste realidade de nossa politicagem e tenho falado continuamente sobre esse tema aqui no site/portal novoeleitoral.com (Triste realidade da politicagem brasileira: uma verdade que precisa ser enfrentada com rigor e firmezaTriste realidade da politicagem brasileira II: uma verdade que precisa ser enfrentada com rigor e firmeza).

Em um primeiro momento até reconhecemos ser um avanço o disciplinamento do tema da fidelidade partidária na minirreforma eleitoral (Minirreforma eleitoral: as mudanças na Lei das Eleições), pois como antes só tínhamos a temática tratada por imposição do TSE, sendo discutível até mesmo sua legitimidade, o fato de se alçar a via da legislação, é por si só, um ponto positivo, contudo não achávamos que além da janela prevista em lei, para nós um verdadeiro portão de Grasykull[1], tivéssemos agora seu alargamento e o pior, por emenda constitucional e sem qualquer cerimônia.

O tratamento então da questão na via legislativa é interessante, pois de certo modo teremos por um período determinado o impedimento formal de que haja mudança de partido, sem que ocorra uma das situações previstas em lei, consideradas como justa causa para a mudança sem consequência para o político que assim age, justamente porque se enquadra em um caso que a lei considera razoável para não burlar a regra geral que deveria ser a fidelidade partidária (Sobre (in) fidelidade partidáriaA justa causa no processo de perda de mandato por infidelidade partidária: Parte IIA justa causa no processo de perda de mandato por infidelidade partidária: introdução)

Afirmamos deveria porque os políticos foram muito inteligentes quando dispuseram esse tema na reforma que não reforma e muito mais deforma o já o combalido sistema político brasileiro e aparentemente nos deu a impressão de que a regra geral será a fidelidade partidária, algo mais do que natural quando se analisa teoricamente a função de um partido político.

A filiação partidária é requisito constitucional para que alguém possa ser candidato, logo a ideia é justamente fortalecer a agremiação partidária e aquele que se filia tem que estar antenado com os valores defendidos pelo partido e totalmente atrelados ao conteúdo programático ali disposto, bem como exercer o seu mandato para concretização dos ideais ali estabelecidos.

Será que isso acontece?

Já tratei desse tema aqui: Ainda temos a direita e esquerda no Brasil?

Portanto, em que pese o avanço do partido político em termos normativos e em especial o tratamento recebido pela nossa Constituição, a pragmática política vem o dilacerando dia a dia e mesmo quando se cria novos partidos como recentemente aconteceu , entrando três novos partidos, a cultura de uso do mesmo para fins pessoais é o que ainda prevalece (Partidos Políticos do BrasilColuna Cidadania – Estado Democrático de Direito e Partidos Políticos). Aqui colocar matéria sobre os partidos e aquela nossa coluna sobre o tema

Para se ter uma ideia do afirmado acima e totalmente em encontro ao que chamei recentemente em palestra sobre o tema, de mais uma manobra dos políticos em desfavor do incremento moral que se espera em nossa política, foi a filiação de 13 deputados ao novel PMB (Partido da Mulher Brasileira), pois sinceramente custa-me crer que tais parlamentares estão totalmente afinados com as diretrizes ideológicas desse partido.

Sem querer prejulgar e muito menos generalizar, como sempre tenho cautela nesse sentido, o que mais uma vez deve ter acontecido, como regra geral de nossas práticas dentro do que chamo de politicagem, foi o ajuntamento dessas pessoas em uma agremiação partidária para atender os seus interesses pessoais de se manter no poder.

E será que alguém tem dúvida de que o grande objetivo da PEC 91 não é esse?

Dessa vez os políticos exageram e sequer tiveram o cuidado de disfarçar, pois como a PEC originária que trata disso ainda não completou o devido processo legal legislativo, eles correram como sempre quando é para atender esse tipo de interesse e mudaram mais uma vez a Constituição do país, pasmem, repito a Constituição do país para atender interesse pontual e transitório.

Já são 91 emendas em nossa Constituição, ou seja, se mexe na mesma ao bel prazer de interesses pessoais, muitas vezes não republicanos e ninguém diz nada. Tudo nesse país é normal e tanto é verdade que recentemente tivemos uma carta aberta de um estrangeiro que mora no país condenando essa nossa prática de ter jeito para tudo, o velho jeitinho brasileiro (VEJA ESSE INTERESSANTE ARTIGO: UMA CARTA ABERTA AO BRASIL).

E alguém tem coragem de discordar desta dura realidade?

Eu sinceramente não tenho e pelo contrário, mesmo me indignando há algum tempo nesse site em textos e vídeos, bem como em diversos cursos e palestras Brasil afora, fico muito envergonhado com tudo isso, pois as vezes me pergunto até aonde vai a coragem de nossos políticos em criarem atos normativos como o ora combatido para manter a estrutura do poder pelo poder.

E agora a nova maneira de fazer tudo isso é sem desfaçatez, ou seja, os interesses pessoais são postos de modo muito claro, mesmo o país atravessando a maior crise política e ética de sua história.

E porque tudo isso é feito?

Porque os políticos sabem que nós sempre aceitamos calados, daí a pergunta até quando ficaremos vendo tudo isso apáticos?

Tá na hora povo brasileiro, na realidade já estamos atrasados há muito tempo, de darmos um não a tudo isso e a única maneira é no voto consciente (Voto consciente. Cidadania concretizada em versos), pois essa é maior arma que temos e infelizmente não a usamos, contudo com as eleições se aproximando temos a oportunidade de mudarmos a cara de nossos políticos, votando em pessoas comprometidas com o interesse coletivo, daí a importância de que não querermos nada em troca de nossos votos.

O que queremos é tão somente compromisso do homem público com o seu povo, coisa que não se vê há algum tempo na maioria dos políticos brasileiros.

Essa PEC 91 é literalmente mais uma tapa na nossa cara e apesar de já termos apanhado muito e não termos ainda feito nada, tenho a esperança de darmos a volta por cima e nas urnas socarmos de volta com muita força na cara de pau desses políticos que ainda insistem em roubar o dinheiro público desse povo tão sofrido e carente, que também é culpado (A mudança só virá de fato quando nós nos tocarmos da origem de tudo e resolvermos fazer a nossa parte!;Será que o Brasil merece os políticos que têm?), porém não merece continuar nesse sofrimento tão intenso e que coloca em xeque as gerações futuras de nossa pátria amada.

Que as eleições de 2016 sejam o início de uma nova era em nossa política ainda é a esperança desse cidadão indignado com tudo isso e que sempre estará aqui denunciando esse tipo de manobra e contando com a conscientização de pelo menos um leitor, pois a cada novo eleitor consciente teremos a construção de um novo país.

E por fim que Deus nos ajude, pois não acredito que Deus esteja do lado de políticos ladrões!

[1] Referimo-nos ao famoso desenho He-Man em que a transformação do personagem Adam no herói acontece no Castelo de Grayskull, que tem um portão enorme, semelhante ao que foi aberto pela 13.165/2015 e sem qualquer preocupação moral agora alargado, justamente para atender interesses pessoais de atuais detentores de mandato político, dai porque falar de janela, nessa situação, é uma metáfora sem sentido.

[2] No Brasil se cria muito partido político porque é um excelente negócio, além de ser fácil, se recebe milhões de fundo partidário http://www.novoeleitoral.com/index.php/en/opiniao/herval/1126-mudanca e ainda se negocia mais alguns milhões de tempo de propaganda e tudo na maior cara de pau.


José Herval Sampaio Júnior é Mestre e Doutorando em Direito Constitucional. Professor de Processo Civil e Direito Eleitoral. Membro da ANNEP, IBDP e ABDPC. Juiz de Direito.

A gestão de Silveira Júnior é ‘sem projeto, sem rumo, sem norte, sem cérebro’, avalia Josué Moreira

Confira entrevista com o professor Josué Moreira, do PSDC, que já foi duas vezes candidato a prefeito de Mossoró.

 

O senhor é novamente pré-candidato a prefeito de Mossoró? Porque?

É possível, caso meu nome seja lembrado nas pesquisas eleitorais. Porque inicialmente, preciso continuar acreditando em uma Mossoró melhor, mais justa e solidária para o presente e o futuro das minhas filhas, familiares, amigos e amigas. Eu justifico minha esperança e luta na minha primeira disputa ao Palácio da Resistência em 2012, logo após as apurações dos votos, eu disse ao repórter que me entrevistou o seguinte, “o povo me fez nascer politicamente na minha cidade, eu vim para fazer parte, eu vim para ficar”. Com 1.932 (1,42%) votos válidos, pessoas de bem que saíram de suas casas pensando em mim e confiando em minhas propostas para Mossoró. Isso pra mim, não tem preço, mas valor. Mesmo com a polarização das duas principais candidatas com estruturas milionárias, eu consegui nascer. As duas saíram por questões judiciais, o justo seria eu assumir, estava na disputa e cumpri as regras do jogo. Mesmo diante dessa situação, as eleições foram canceladas e uma nova eleição, agora a suplementar em 2014 veio a acontecer…novamente coloquei meu nome à disposição dos mossoroenses, recebi a confiança de 3.025 pessoas. Não preciso dizer mais nada, apenas agradecer a essas queridas pessoas que confiaram em mim, e tenho certeza pela situação que se encontra Mossoró, estão de consciência tranquila. Tenho coragem suficiente e fé em Deus que um dia eu ei de chegar pelo voto consciente.

Qual a participação do senhor no movimento Mossoró Melhor, encabeçado por um grupo de empresários?

Nosso partido (PSDC) estava no agrupamento político com o PSDB, PROS, PDT, PSL e REDE Sustentabilidade. Em uma decisão coletiva, fomos conversar com o grupo de pessoas que estava se formando em Mossoró para entrar no mundo da política. Diante das conversas, surgiu o primeiro encontro público lá na OAB, depois no conjunto Nova Vida. Houve outros encontros e vimos que tínhamos muitas coisas em comum, principalmente visando o bem de Mossoró. Não há nada certo ainda, não há nomes no momento, mas a preocupação é de construir um projeto de desenvolvimento econômico para Mossoró que servirá para qualquer um que venha assumir a Prefeitura. Dessa junção de empresários, professores, profissionais liberais, funcionários públicos, aposentados, nasceu o nome do grupo “Mossoró Melhor”. Sem nenhuma vaidade, eu procuro dá a minha contribuição e busco aprender novas lições.

O senhor pode desistir de ser candidato a prefeito para apoiar o candidato do Mossoró Melhor?

Desistir não, posso adiar meu sonho de ser Prefeito, nosso objetivo principal é criar o projeto, e que este esteja pronto o mais rápido possível. Minha sugestão é que as pesquisas de opinião pública seja o instrumento norteador para esta decisão, que seja claro e verdadeiro, os números não mentem e eu acredito na ciência estatística. Escutar a opinião do povo é salutar para o processo democrático, se não queremos o velho, é necessário que o novo seja de fato honesto de verdade.

Ser indicado à vice na chapa do Mossoró Melhor lhe agrada?

Seria uma honra, mas acredito que existem outros nomes fortes no grupo, talvez até melhor que o meu. Só não sairei candidato a vereador, porque dei a minha palavra aos nossos pré-candidatos a vereador do PSDC.

A tendência é que o PSDC tenha candidatura própria ou dê apoio ao Mossoró Melhor, ou existem outras possibilidades para o partido?

A política é muito dinâmica, muda rápido demais. O PSDC poderá disputar a majoritária se as pesquisas apontarem nesse sentido. Se o povo que votou em 2012 e 2014 no 27 quiserem novamente nossa participação, não poderei dizer não. O PSDC tem gente corajosa e não precisa de dinheiro para lutar por seus ideais, e, enquanto estiver a frente dessa sigla não estaremos a venda e nem compraremos ninguém. Defenderemos os valores da boa democracia.

O PSDC está aberto para negociar com outras candidaturas, como a do prefeito Silveira Júnior, Rosalba Ciarline e Larissa Rosado?

Não, já conversamos no passado. Respeito meus adversários políticos mas não temos interesse.

Qual a pretensão do PSDC para a disputa de vagas na Câmara neste ano?

Estamos trabalhando a quatro anos nesse objetivo, acredito que o povo de Mossoró terá pelo menos um representante da Social Democracia Cristã na Câmara Municipal de Mossoró.

Especula-se que alguns vereadores estão interessados em ingressar no PSDC de olho na renovação do mandato, o partido está aberto para eles?

Estamos atentos e satisfeitos por essas procuras, que mostra estarmos no caminho certo em direção a Câmara Municipal de Mossoró. Alguns que me procuraram são pessoas que tenho bom relacionamento, mas disse a eles, e informo aos demais, que o motivo da não aceitação é porque demos a nossa palavra que não aceitaríamos vereadores eleitos e suplentes acima de 1000 votos, para que todos tenham iguais chances, sem precisar gastar centenas de reais para se eleger e depois não representar bem o povo. Não sou eu quem decide, mas todos do partido, nem eu eles aceitam como candidato a vereador. Só me restaram duas opções, prefeito ou vice. Desejo muito participar mas ainda não sei como será a minha participação no pleito de 2016. Vontade e coragem tenho de sobra e já provei que eu não preciso de dinheiro para dá opção para o povo.

O PSDC pretende ocupar cadeira na Câmara de Mossoró, como o senhor analisa a atual composição do legislativo mossoroense?

Como cidadão fico triste por não ver a Câmara fazendo seu papel constitucional de fiscalizar o poder executivo, falta mais transparência no recebimento do duodécimo e despesas, falta participação popular no que se deve realmente fazer com as sobras, já que existem vários patrocínios como ‘shows culturais’ enquanto deveria ser mais solidário com aqueles que estão passando necessidades nos subúrbios e favelas de Mossoró. Necessita dá exemplo de austeridade, cobrar mais do poder executivo, ser um parlamento independente e não uma extensão do Palácio da Resistência. O resultado da má gestão do governo de Silveira não é culpa apenas dos seus erros, mas sobretudo, do apoio da maioria da bancada governista que não cobra resultados de uma agenda positiva. Fiquei triste com o relatório do TCE que apresentou muitos privilégios e mordomias dos senhores vereadores diante de uma população sedenta por justiça social como por exemplo a indevida destinação de recursos financeiros aos gabinetes dos vereadores para custeio de despesas administrativas (Verba de Gabinete), Propaganda personalista/ausência de interesse público, Despesas com combustíveis – Ausência de comprovação da finalidade pública, Despesas com aquisição de peças e serviços para veículos particulares – Ausência de comprovação da finalidade pública, Violação às regras constitucionais e legais de exigência de licitação, Despesa com locação de imóvel – inexistência de interesse público, Despesa com assessoria e consultoria – ausência de documentos hábeis a comprovar a efetiva prestação do serviço, Despesas com Refeições/Alimentação – Ausência de comprovação da finalidade pública, Despesas com material gráfico – aquisição com empresa impedida de contratar com a Administração Pública.

Como o senhor avalia a gestão do prefeito Silveira Júnior?

Decepção, gestão sem projeto, sem rumo, sem norte, sem cérebro. Mesmo perdendo para ele na disputa eleitoral, torcia para ele acertar porque Silveira abriria para nós outros uma porta de esperança para as novas lideranças políticas. Seu lema ‘testado e aprovado’, não representa mais o marketing do prefeito interino. Uma vez ele me disse que “time que se está ganhando não se troca”… já vimos várias trocas e substituições para continuar tudo do mesmo jeito, sem resultados positivos. Meu desejo é que ele entregue a prefeitura para o próximo prefeito sem restos a pagar, assim, sairia da prefeitura como aquele que pegou uma grande dívida, passou por várias crises financeiras e políticas mas foi um prefeito austero, entregou a prefeitura em dia, guardaria assim, uma imagem de um gestor que se preocupou pelo menos com as contas públicas, prefeitura saneada.

Concurso Nacional Novos Poetas. Prêmio Poesia Livre 2016

Estão abertas as inscrições para o Concurso Nacional Novos Poetas, Prêmio Poesia Livre 2016. Podem participar do concurso todos os brasileiros natos ou naturalizados, maiores de 16 anos.

 

Cada candidato pode inscrever-se com até dois poemas de sua autoria, com texto em língua portuguesa. O tema é livre, assim como o gênero lírico escolhido. Serão 250 poemas classificados.

 

A classificação dos poemas resultará no livro, Prêmio Poesia Livre 2016. Antologia Poética. Concurso Literário e uma importante iniciativa de produção e distribuição cultural, alcançando o grande público, escolas e faculdades.

 

Inscrições gratuitas até 05 de março de 2016 pelo site: www.poesialivre.com.br

 

Realização: Vivara Editora Nacional

Apoio Cultural: Revista Universidade

Mossoroenses vencem edital “Música é Energia” do Som Sem Plugs

Após várias etapas concorridas e mais de 14,5 mil votos apurados, na última segunda-feira (15), o projeto Som Sem Plugs divulgou a lista dos cinco contemplados e novos parceiros do projeto. Entre os vencedores, dois mossoroenses de coração que compõem o cenário musical do Rio Grande do Norte: Alan Baboo, instrumentista, compositor, cantor e arranjador e Pedro Falcão, músico independente e poeta desde a infância.

Os dois artistas são do estado do Ceará, mas escolheram Mossoró-RN para disseminar seus trabalhos musicais. Alan Baboo é natural de Icapuí. Começou a estudar contrabaixo e violão aos 14 anos, ainda na adolescência iniciou a sua jornada como músico tocando em eventos e acompanhando o instrumentista Tom do Ceará. Pedro Falcão reside há seis anos em Mossoró e misturou o carisma cearense com o regionalismo potiguar para compor com influências da MPB e dar ênfase a variados ritmos como samba, baião e rock.

A escolha dos cinco vencedores (Alan Baboo, Pedro Falcão; Dani Cruz, Igapó de Almas e Skarimbó, de Natal) durante a segunda fase do edital se deu a partir dos votos computados na “Votação Popular Online” junto a banca julgadora formada pelos seguintes jurados: Luiz Veiga, diretor de jornalismo da InterTV Cabugi; Anderson Foca, produtor cultural do Selo DoSol; Eduardo Pinheiro, produtor musical do Megafone Estudios e Josué Veloso, representante do grupo Brasileiríssimos.

O projeto conta com o patrocínio da Cosern através da Fundação José Augusto e a Lei Câmara Cascudo de Incentivo à Cultura do Governo do Estado do Rio Grande do Norte.

Academia Assuense de Letras lança concurso JOVENS CONTISTAS, GRANDES ESCRITORES

Com o objetivo de promover, valorizar, estimular a criatividade e a expressividade dos jovens escritores norte-rio-grandenses é que a Academia Assuense de Letras lançou no último dia 23 de janeiro um edital para a realização de um concurso de Contos destinado aos escritores do estado do Rio Grande do Norte, por nascimento ou residência.

 

O concurso Jovens Contistas, Grandes Escritores: Contos Potiguares tem temática livre e poderão participar maiores de 12 anos de idade que residam e/ou sejam potiguares natos.

 

Cada concorrente pode participar com mais de um conto, desde que utilize diferentes pseudônimos para cada obra.

 

Uma comissão julgadora será convidada pela AAL dentre aqueles que tenham notório saber e reconhecida atuação nas áreas educacional e cultura.

 

O concurso premiará o primeiro colocado com R$ 1.000,00 (Hum mil reais), o segundo colocado com R$ 500,00 (quinhentos reais) e o terceiro colocado com R$ 300,00 (trezentos reais).  Os primeiros colocados receberão além da premiação em dinheiro, um diploma, um troféu e 10 exemplares da obra JOVENS CONTISTAS, GRANDES ESCRITORES: Contos Potiguares.

 

Também farão parte da obra, os participantes que receberem Menção Honrosa da Comissão Julgadora.

 

Todos os participantes terão seus nomes, e cidades, divulgados no livro JOVENS CONTISTAS, GRANDES ESCRITORES: Contos Potiguares.

 

O prazo de inscrição é de 23 de janeiro de 2016 até as 23 horas e 59 minutos do dia 29 de abril de 2016.

 

Os trabalhos só serão recebidos por via postal endereçados para a CAIXA POSTAL 069 – CEP 59.650-000 – Assu – RN.

 

FAÇA AQUI O DOWNLOAD

DO EDITAL DO CONCURSO

Dison Lisboa assume liderança do Governo na Assembleia

O Governador Robinson Faria encaminhou documento à Assembleia Legislativa designando o deputado Dison Lisboa como o novo líder do governo na Casa. Dison assume em lugar do deputado Fernando Mineiro, que vinha exercendo a liderança desde o início de 2015.

Robinson destacou que Dison é um deputado qualificado para o exercício da liderança. “Dison é um deputado muito preparado, é um companheiro de lutas, desde nossa origem política na região Agreste. O exercício da liderança abrilhantará ainda mais seu mandato parlamentar”, disse.

O trabalho do líder na Assembleia Legislativa é dedicado ao acompanhamento do trâmite das matérias de interesse da administração e a articulação da bancada. Cabe ao líder ser a voz do governo em debates no parlamento.

Robinson enalteceu a atuação do deputado Fernando Mineiro na função. “Mineiro foi um líder competente, leal e solidário. Continuará a ser um parceiro importante do nosso governo na Assembleia. Meu agradecimento a ele pela atuação durante este período”, disse.

Contrato de R$ 5,5 milhões: Vereadores cobram explicações da Prefeitura e esclarecimentos ao MP

Vários vereadores se manifestaram sobre as dúvidas que pairam sobre o contrato da Prefeitura de Mossoró com a Vaga-Lume. Primeiro parlamentar a levantar suspeitas sobre o acordo, o líder da oposição Lairinho Rosado (PSB) disse que a Prefeitura e a empresa precisam dar explicações concretas sobre o assunto. “O MP também já tem conhecimento do caso e é importante que tudo seja esclarecido. Não pode haver dúvidas sobre a gestão pública”, acrescentou.

O vereador Vingt-un Neto (PSB) afirmou que a denúncia é grave e merece ser apurada com urgência. “Causa estranheza o município dever 6 meses a várias terceirizadas e ao mesmo tempo fechar um contrato milionário com outra. É triste também ver a atual gestão descartar empresas da terra em detrimento de outras de fora”, salientou.

O vereador Genivan Vale (Pros) se solidarizou com o colega Lairinho, ameaçado depois de levantar dúvidas sobre o contrato, e disse esperar que ‘o prefeito possa esclarecer essas dúvidas levantadas’.

Para o vereador Francisco Carlos (PV) Trata-se de indícios que apontam para a possibilidade de que tenha ocorrido uma grave irregularidade. “A prefeitura precisa se pronunciar para explicar de forma convincente os fatos e dirimir qualquer dúvida. Do contrário, há necessidade de aprofundamento da questão, por meio de investigação dos órgãos responsáveis, de maneira que seja corrigido ou reparado qualquer dano”, atentou.

O Blog do Magnos tentou falar com o promotor do Patrimônio Público, Fábio Weimar Thé, mas não conseguiu. Primeiro ele informou que estava em reunião e depois se encontrava com o telefone desligado.

O líder do governo na Câmara, vereador Soldado Jadson (SDD), também não foi localizado.

Contrato de R$ 5,5 milhões: Empresa não informa se tem sede em Mossoró e quantidade de funcionários

A empresa D. F. de Lima Serviços Eireli, de nome fantasia Vaga-Lume, se negou, nesta quinta-feira (18), a informar se tem sede em Mossoró e também a quantidade de funcionários contratados para prestar serviços terceirizados à Prefeitura de Mossoró.

O Blog do Magnos entrou em contato com a empresa por meio do telefone (84) 3273-2455, localizado em São José de Mipibu, apesar de a D. F. de Lima Serviços Eireli ter Baía Formosa como município sede, e não teve resposta para nenhum dos seus questionamentos. Uma mulher que se identificou como Karol (se recusou a informar o sobrenome) e gerente da empresa não passou qualquer informação sobre a atuação da Vaga-Lume em Mossoró. Disse apenas que retornaria com as respostas, mas não o fez até agora.

Nem mesmo em São José de Mipibu a Vaga-Lume tem sede própria. Divide imóvel e o número de telefone com uma empresa de contabilidade. A secretária sempre atende ao telefone informando o nome da empresa de contabilidade e somente com muita insistência informa que a Vaga-Lume também funciona no mesmo prédio.

O Blog tentou localizar a possível sede da Vaga-Lume em Mossoró, mas na conseguiu. Alguns vereadores e trabalhadores terceirizados da Prefeitura de Mossoró consultados disseram não saber informar se a sede existe.

O Blog também tentou falar com a secretária municipal de Comunicação de Mossoró, Luziária Machado, mas ele não respondeu a pergunta feita no WhatsApp, apesar de visualizá-la, e se encontrava com o telefone desligado.

A Vaga-Lume está envolvida em polêmica em torno de um contrato de quase R$ 5,5 milhões com a Prefeitura de Mossoró. O homem que seria o atual dono da empresa, Denilton Felix de Lima, declarou desconhecer tal acordo com o Município, tendo mudando de opinião depois de fazer uma ligação. Ele não atende mais as ligações. O negócio envolve também o vereador de São José de Mipibu, Joelmo Teles de Medeiros Barbosa, companheiro de partido do prefeito de Mossoró, Silveira Júnior, o PSD, que seria o antigo dono da Vaga-Lume.

Ainda com a razão social J. T. de M. Barbosa Serviços Eireli, inicias do nome do vereador, a Vaga-Lume recebeu R$ 1.679.485,57 da Prefeitura de Mossoró em 2015 por serviços prestados na Secretaria de Desenvolvimento Social e Juventude, de acordo com dados do Portal da Transparência do Município.

O novo contrato para 2016 envolver recursos bem mais volumosos, R$ 5.475.364,80, e se estende até 02 de janeiro de 2017.

Em resposta concedida na quarta-feira (17), Luziária Machado afirmou que trata-se da mesma empresa que ‘está passando por uma mudança na razão social por causa da saída de um dos sócios’.