[cms-block id="10035" title="Banner Topo das Postagens"]

O Ministério Público do Rio Grande do Norte vai instaurar inquérito civil para apurar possíveis inídicios de esquema de pirâmide financeira nas empresas Telexfree, BBom, NNEX, Priples, Multiclick e CIDIZ. A decisão ocorreu hoje (2), após reunião entre procuradores e promotores de Defesa do Consumidor, Investigação Criminal e Grupo Articulado de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Após as dúvidas levantadas sobre a atuação das empresas no país, que são alvo de investigação de vários estados e pelo Ministério da Justiça, os promotores decidiram fazer a investigação para evitar perdas aos potiguares. “O objetivo de instaurar o inquérito é proteger a sociedade contra futuros golpes”, disse o promotor de Defesa do Consumidor, Alexandre Márcio da Cunha Lima.
Caso seja comprovado a pirâmide financeira, os responsáveis pelas empresas podem ser indiciados por crimes contra a economia popular, estelionato e formação de quadrilha, podendo se estender até a sonegação fiscal, caso não tenham ocorrido os repasses legais previstos em lei.

O Ministério Público terá o prazo de 90 dias para finalizar as investigações junto às empresas, que serão notificadas sobre o início do procedimento de investigação nos próximos dias.
TELEX-FREE
[cms-block id="10034" title="Banner Final das Postagens"]